sábado, 17 de dezembro de 2011

CLASSIFICAÇÃO DE DEZEMBRO

.Para já em rascunho, aqui vão as classificações deste mês:

1 - Zbroing
2- Ordem do Fónix
3 - F. Mamedes
4 - BMV c/ Laranja
5 - Espertalhos
6 - Ursinhos Bobó
--------------------
7 - Unidade 101
8 - Frikadaellos
9 - Duracell
10 - Golfinhos
--------------
11 - Nnaped
12 - Ex-Cavaleiros
13 - Lais da Carangueja
14- Outsiders
15 - Universos e Frig.
16 - Folie à Cinq

Org.: Feios Porcos e Maus
-----------------------------------------------------------------------------------------
A classificação final já está disponível ao lado.
Os 11 primeiros organizarão as jornadas de 2012. Penso que não haverá desistências de qualquer equipa dentro dessas posições. Devido à indefinição sobre quem ocuparia o 11º lugar à entrada para a última jornada, os Ex-Cavaleiros chegaram-se à frente e vão organizar a jornada de Janeiro. Folie à Cinq organizará então a de Fevereiro por troca directa. No entanto, tudo isto é passível de ser confirmado pelas equipas envolvidas, quer no que toca às inscrições das equipas para o ano, bem como as primeiras organizações.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Nota da Gerência: Ponto de situação final de 2011 e 2012

Na sequência desta adenda ao post de 20 de Outubro, renovo a explicação face à ausência de crónicas:


Serve o presente para alertar a navegação da intermitência de serviços disponibilizados por este blog, devido à falta de disponibilidade recente dos seus gestores, nomeadamente eu (Sérgio).

Sem grande necessidade de histórias da carochinha a realidade, por enquanto, é esta – a minha disponibilidade para gerir conteúdos deste espaço está intacta, para os produzir é que está deveras limitada. E, para não fazer as coisas com a atenção que acho que devem ter, prefiro não fazê-las.

Portanto, se algum escriba de gabarito se quiser juntar à troupe, certamente que eu e o Miguel teremos todo o gosto em lhe dar espaço para mostrar a sua arte, no que à cascata diz respeito.

Anexa-se um pedido de desculpas aos organizadores, público e demais convivas que foram afectadas por esta nova situação, mas de momento é o que temos.



A título adicional acrescente-se que, para além de haver essa possibilidade de contribuição integral, também se aceitam outro tipo de colaborações, desde que a forma como as mesmas surjam tenham a ver com o espírito do blog.

Não há qualquer problema em termos de sugestão de formatos e terei todo o gosto em ajudar quem se oferecer, se tal for preciso. Para esse efeito, para além da caixa de comentários e outras vias cibernéticas, estou ao vosso dispor na 6ª feira.

Até lá, segue a intermitência.

sábado, 19 de novembro de 2011

CLASSIFICAÇÃO DE NOVEMBRO



A Ordem do Fónix soma a 12ª vitória e acaba com um jejum que durava quase um ano. É a 4ª equipa a vencer este ano.

Os Mamedes somaram a 50ª final. Somam também o 9º pódium e passam a ser os recordistas absolutos.

Folie à Cinq é a 12ª das actuais equipas a competir a conquistar um podium, a 19ª de sempre. Faz aumentar para 10 equipas a fazé-lo este ano, ainda um abaixo de 2009.

Relativamente ao campeonato, a corrida ao 2º lugar ficou baralhada, pois os Fónix beneficiaram bastante nesta jornada, igualando os Espertalhos que viram uma boa vantagem ser anulada, mantendo para já o 2º lugar pelas regras de desempate. No entanto, ambas as equipas dependem de si próprias, com os Zbroing cinco pontos atrás à espreita de deslizes dos dois da frente.

A vitória dos Fónix "arrumou" os BMV c/ Laranja que já não têm possibilidade de chegar ao podium. Embora assegurem um lugar entre os 6 primeiros (e como tal a sua melhor classificação de sempre), dificilmente descerão abaixo do 5º lugar (basta que passem o primeiro nível em Dezembro) e ainda têm a possibilidade de chegar ao 4º lugar, embora a tarefa seja difícil, necessitando que os Zbroing não acabem nos 4 primeiros lugares da jornada final.

O 6º lugar ainda está por definir. Os Lais da Carangueja ainda o mantêm mas viram a vantagem ser reduzida para 5 pontos. Com desvantagem directa, só asseguram a "Liga Europa" com um 3º lugar na última jornada.
N.n.a.p.e.d. estão em alta e são os maiores rivais dos Carangueja, embora Ex-Cavaleiros e Ursinhos possam lá chegar mediante a vitória em Dezembro, desde que Lais não cheguem à final e os Nnaped não acabem no podium. Para os Feios, Porcos e Maus , o sonho "europeu" acabou este mês, pois organizam a jornada final. Estes últimos garantem a organização para o ano, desde que Outsiders não ganhem.

E justamente para os lugares da organização, e a menos que surjam grandes surpresas, 10 lugares já estão praticamente entregues. Para a vaga final, os Folie à Cinq deram um enorme salto e ainda com possibilidades razoáveis para subir aos 10 primeiros lugares. Um desaire dos Folie no 1º nível, faz com que o sucesso das restantes equipas possa ocorrer em apenas uma destas situações: Unidade 101, Duracell ou Golfinhos precisem de acabar nos 2 primeiros, Frikadaellos necessitam de um 3º lugar no mínimo e aos Outsiders basta um 4º lugar. Se os Folie repetirem a final, então só a Outsiders e Frikadaellos é necessário um 2º lugar, pois aos restantes que tenham hipóteses matemáticas, só a vitória interessa.

Assim para o ano, e comparando com este ano, os Lais da Carangueja vão-se estrear na organização e os Nnaped vão regressar após um jejum de 2 anos. Os Folie à Cinq têm boas hipóteses de se estrear. No inverso, aos Frikadaellos, Golfinhos e Unidade 101, só um deles poderá ter uma hipótese de repetir a organização, e desde que os Folie à Cinq "permitam".

terça-feira, 25 de outubro de 2011

CLASSIFICAÇÃO DE OUTUBRO


6ª vitória dos Espertalhos do Carinho, subindo ao 5º lugar de sempre no maior número de vitórias. Muitos parabéns!


Nas contas para o podium final, os Espertalhos cimentam o 2º lugar.


Zbroing 747! alcançam o podium da geral, pela primeira vez esta época.


Faltam 2 organizações/jornadas: BMV c/ Laranja e F.P. Maus.


P.S.: Desculpem a minha inércia dos últimos tempos. A crónica dos Ex-Cavaleiros não está esquecida. Conto acabá-la muito em breve.


Quanto ao acordo ortográfico... é de louvar o que os Fónix fizeram. Mas eu, ainda não conto mudar o meu "acordo".

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Fomos à Guiné Equatorial, falar com um gajo dos fónixes sobre o jogo da Ajuda

Sempre consciente da importância de ouvir as equipas em vésperas dos grandes jogos, o esforçado Repórter Inquieto e Curioso (doravante chamado de RIC) procurou chegar à fala com algum - algum que fosse - elemento da Ordem do Fónix.
Não foi fácil, não foi, ai isso não. Elusivos, esconderam-se o mais que puderam, alguns até foram para o estrangeiro. Com grande sorte, mas também muito esforço, encontrámos o FB a apanhar sol numa praia da Guiné Equatorial. Meio adormecido, com um daikiri na mão e o chapéu de palha sobre os olhos.

FB, pá... FB!!!! É o RIC, desculpa lá mas tens de falar comigo sobre o jogo de amanhã!

Hã... o quê? (estremunhado). Jogo, qual jogo? combinaram uma suecada, e não me disseram nada?

Não, que raio. A cascata, a cascata da Ajuda....

(Ruborizando) Esqueci-me... esqueci-me completamente disso. O Comandante disse que este ano não podia fazer, porque ia estar umas temporadas em Cabo Verde, e pediu-me para tratar disso. Mas varreu-se me.. que cabeça a minha.

E agora, como é? Vais dizer ao capitão bigodes que se adia o jogo, é isso?... Não vejo outra saída...

(Silêncio comprometido. Por meio minuto. Liga o telemóvel, fala com alguém, percebe-se vagamente 'podes fazer a cascata de sexta-feira' e 'pronto, tá bem, não precisas de começar aos berros'). Não se diz nada ao bigodes, estás parvo, ainda nos manda por arsénico nas bifanas. Aqui entre nós, RIC... vou apanhar um avião para Paris, e depois outro para Lisboa, alinhavar meia dúzia de coisas durante os voos e já está. Se não conseguir chegar a tempo, mando por SMS ao Fred ou ao Branco e eles apresentam. Tudo se resolve, man (golada valente no daikiri).

Tens alguma ideia do que vais perguntar? Há cascatas temáticas?

Estás parvo ou quê? A publicidade anda-te a moer os neurónios, RIC... Já te disse que ainda não está nada feito. Para desenrascar, vai ter ter ser o mais simples possível. Tipo... teste tipo americano na parte escrita, estás a ver?
Quatro hipóteses de resposta, tipo o concurso do milionário. Quem foi o primeiro rei português, e depois o Afonso Henrique, e outras três opções parvas. É isso!
Cascatas temáticas já não dá tempo, mas se desse era mesmo sobre a Guiné Equatorial, que isto aqui é lindo! E outra cascata temática fixe era sobre Alfama, que também é linda!

Vais privilegiar algum tema?

Epá, acho que não. Se calhar corto no cinema e no futebol, por exemplo, que são dos temas mais batidos até agora. Se tiver tempo, ponho mais perguntas de modalidades e perguntas de música. Sim, é isso. Mais música e menos cinema. Tadaaaam!

E perguntas sobre Cabo Verde, nem uma?

(silêncio...) OK. Uma pergunta de Cabo Verde, para dar gosto. E vai ser a última, fica prometido. Agora, deixa-me dormir a sesta, que ainda faltam três horas para o voo.
Só depois é que pego no assunto. Espero que o Branco, o Zé Guilherme e o Figueira enviem as perguntas que prometeram e que o Comandante ainda tenha paciência para rever as merdas que dá fazer um quiz à pressa.
... E já agora, RIC, antes de te ires embora... acho que o jogo também não vai ter perguntas sobre igrejas, jardins públicos e mineralogia. Nem sobre atualidades e datas, isso é certo. (puxa o chapéu e dormita).

Caros amigos, foi esta a reportagem possível... Esperemos que haja jogo... nada está certo e seria um precedente grave não haver. Façamos figas para que no final haja bom senso.

(Fora do plano, em alto em bom som) Cabo Verde! no final há mas é uma pergunta sobre Cabo Verde!





Nota da outra parte da Redacção – Agradecendo desde já ao Filipe Bravo por esta antevisão in extremis, qual golpe de rins do saudoso Roberto, fica aqui uma nota complementar em relação à parca actualização recente do blog.


Serve o presente para alertar a navegação da intermitência de serviços disponibilizados por este blog, devido à falta de disponibilidade recente dos seus gestores, nomeadamente eu (Sérgio).

Sem grande necessidade de histórias da carochinha a realidade, por enquanto, é esta – a minha disponibilidade para gerir conteúdos deste espaço está intacta, para os produzir é que está deveras limitada.

Portanto, se algum escriba de gabarito se quiser juntar à troupe, certamente que eu e o Miguel teremos todo o gosto em lhe dar espaço para mostrar a sua arte, no que à cascata diz respeito.

Anexa-se um pedido de desculpas aos Ex-Cavaleiros (cuja crónica existe, mas incompleta e já a caminhar para fora de validade) e aos Fónix, pela ausência da antevisão devida.

Fora isto, se o mundo não acabar depois do almoço, até logo.




sábado, 17 de setembro de 2011

CLASSIFICAÇÃO DE SETEMBRO

Mamedes sagram-se campeões a três jornadas do fim. É a primeira vez que um campeão é encontrado antes de Novembro.

Também aumentam para 7, o recorde de vitórias num só ano por uma equipa.

É a segunda vez que uma equipa chega aos 50 pontos numa jornada. O recorde pertence aos Cavaleiros com 53, em Junho de 2007.

É, no entanto, a maior diferença pontual numa única jornada, entre o 1º e o 2º: 15 pontos.

N.n.a.p.e.d. alcança o seu melhor resultado de sempre numa jornada: 2º lugar. O melhor era o 3º em Junho de 2006.

Em relação ao campeonato, a Ordem do Fónix salta para o 2º lugar, aproveitando o deslize dos Espertalhos. Mas a batalha pelo podium vai conhecer uma maior definição nas próximas duas jornadas, quando os Fónix e os BMV c/ Laranja (respectivamente 2º e 3º no campeonato) organizarem já a seguir.

Em relação aos lugares de "acesso à Liga Europa", os Lais da Carangueja (em 6º lugar) cimentaram um pouco mais essa pretensão em relação aos perseguidores, sendo que F. P. Maus organizam a última jornada e começa a ser mais difícil entrar nos 6 primeiros. A corrida conheceu também um inesperado candidato, pois os N.n.a.p.e.d. sobem ao 9º lugar e estão com a moral elevada.

Para os lugares de organização, tudo está ainda em aberto.

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Fomos à estrebaria falar com João Silva, já a preparar os cavalos para amanhã

Tirada a areia dos pés e quiçá das engrenagens mais enferrujadas, postas as crianças na escola, eis o campeonato de cascata de volta. E nada melhor do que falar com um dos mestres de cerimónias mais experientes do circuito e um dos anfitriões de amanhã, o mítico Johnny Ex-Bigodes Silva. Eis a espécie de conversa.


Com a implosão dos Cavaleiros, o que te levou a querer reconstruir uma equipa, ao invés da solução mais fácil seguida por outros ex-cavaleiros, que foi juntarem-se a outras equipas?
O Fernando ofereceu-se para pagar todas as minhas inscrições durante as próximas duas épocas de cascata. Foi querer que chegue.

Qual foi a lógica nesta equipa, descobrir novos talentos ou foste pela diversão de poderes ter cromos diferentes na caderneta?

Nenhuma das duas. Escolha monetária novamente. O Pedro e a Balola pagam as garrafas de vinho, o Nélson e o Luís as bifanas, os cafés e eventualmente as Pedras Salgadas quando já não entra mais tinto.

E sobre o campeonato, em termos de organizações. pior que o ano passado, melhor, venha o diabo e escolha? E, já agora, até ao momento, quais os pontos altos e os pontos baixos?

Venha o diabo e escolha. Pessoalmente acho que os Mamedes, os Zbroing e os Ursinho podiam ter feito muito melhor. Não houve nenhum quiz extraordinário mas o vosso ( Espertalhos) foi claramente o melhor, muito por causa de não terem deixado o gordo de calções fazer perguntas.

Ligando o Zandinga que há em ti, o que achas que se vai passar até final do campeonato, numa composição que não ultrapasse as 5 linhas.

Diminuição do consumo de cerveja e aumento do das bebidas brancas. Mais casacos e gabardinas dentro do pavilhão porque vai chover lá dentro. O Miguel Fialho a cantar um refrão qualquer de uma música que adore. O Zé Pedro a fingir que ainda não usa óculos. O Fernando a falar de um pergunta da 1ª cascata de nível 1 quando já vamos no 2º nível. O Fred a falhar perguntas de ópera e o Girão de boca aberta incrédulo a dizer “ eu não acredito nisto”. O Luís Cabaça a pedir-me James Martin, como prémio dos não classificados para o 2º nível. Os Universos a jogarem todos os jogos na mesa 15 e a perguntar porquê. O Roger de calções (mesmo com frio e a chover) de whisky na mão a dizer “ vão mas é pó ...”. Os Zbroing, contrariando a tendência, com 246 garrafas de cerveja a atafulhar a mesa. O Tirapicos no Luxemburgo, o Cristóvão no Parlamento e a Rita sempre bonita. Napoleão a refilar, Tali a flirtar, o Gregório a organizar e o Erik sem quase nada apanhar. A educação e a bonomia dos Outsiders e dos Folie. Os NNAPED e a sua dança de elementos e o gelado de limão dos Duracell. A canseira, incansável, da Mafalda e da Paula. A saudade da Paula do bar e do Quim Maçarico.

E a vitória dos Mamedes.


Sobre o jogo de sexta:

Com tanta rodagem que tens a organizar, como foi esta cascata. O resto da malta contribuiu ou tiveste que os pôr no seu lugar e mostrar que, mesmo sem bigode, a autoridade está presente?
Houve contribuição de todos embora a parte do nivelamento me coubesse mais em sorte, mas foi fácil, distribui precisamente assim, à sorte.

Tendo em conta os jogos que já viste, torna-se mais fácil organizar depois do Verão, com tempo para corrigir e ver o que foi feito de bom ou o interregno não é positivo.
É mais fácil se quisermos trabalhar o jogo. Nós somos quase todos reformados, portanto não deu.

Em termos de jogo, vais inovar com aquela cascata de rumba que sempre sonhaste fazer ou algo no género? Temas, tecnologia ou chicken eye em versão braço de ferro, seremos cobaias de alguma coisa ou nem por isso?
Não. Sem invenções. Parte escrita muito simples. 6 temas clássicos e com pouca variabilidade.

Isto vai ser O jogo que planeavam, o jogo possível ou o jogo que esta cambada merece?
Mereciam muito melhor.

terça-feira, 26 de julho de 2011

Crónica de Julho

Os Prémios Prestige


A última jornada, antes da pausa de Verão, viu os Fernandos Mamedes dissipar (quase) todas as dúvidas que ainda pudessem surgir, no que ao título diz respeito. Ao primeiro prémio Prestige da noite, só mesmo um burguesismo bacoco da parte deles poderá fazer com que não sejam os sucessores dos Zbroing. Não que a diferença pontual seja irrecuperável (é obvio que não), em relação aos mais directos perseguidores. Mas esses perseguidores, e assumindo que as equipas não faltam, estão apenas resumidos aos Espertalhos e aos próprios Zbroing, dado que ainda dispõem das 4 jornadas que faltam. A Ordem do Fónix ainda vai organizar uma delas, esperando apenas que a matemática confirme a quase impossibilidade de ser campeã. Quanto aos BMV c/ Laranja, que também organizam, (assumindo que os Mamedes não faltam), selaram as aspirações nesta jornada ao não atingir a final.
De ressalvar no entanto a resiliência e o bom momento de forma da Ordem do Fónix e dos Zbroing. Estes últimos inscrevem o nome num recorde que há muito tempo que era difícil de ultrapassar: Somaram 13 pontos só no 3º nível.
Último prémio Prestige da noite, bem salientado pelos nossos “anfitriões”: Não “neguem” à partida uma equipa que desconhece(m). E nós nunca negámos!
A partir de Setembro há mais…



Sun Tzu Retro (Edição Especial Queda do Muro)





Foi um quiz muito Retro.
Pegando e analisando as palavras do Jorge em comentário de um post anterior, teve problemas de falta de tempo, aliados à indisponibilidade de alguns elementos dos Ursinhos Bobó. Em que é que isto se reflectiu? Sobretudo na qualidade do conteúdo por parte deles e na percepção da forma pela nossa parte.
Esmiuçando, tivemos um pouco mais de sub-temas (ou assuntos) com pelo menos três perguntas sobre elas. Isto serve, muitas vezes, para mascarar a falta de tempo que possa existir para acumular cerca de 200 perguntas minimamente diversificadas que são necessárias para um jogo. Um exemplo prático disto, foi 3 ou 4 perguntas sobre estatísticas de Óscares, seguido por mais 3 ou 4 sobre factos dos filmes de James Bond.
Apesar de tudo, talvez o maior “pecado” dos Ursinhos nesta jornada, foi o “retro-cesso” às datas. Que me recorde, houve pelo menos uma de relevância histórica, mas recordo-me de, pelo menos mais três ou quatro de mandar para o ar. A década ou século talvez servisse melhor os interesses de quem sabia e não de quem lucrou.
Mas será que em essência, o quiz em termos temáticos foi diferente das outras jornadas organizadas por eles, desde 2008? Na minha opinião, a resposta é não. Tematicamente, nada foi diferente. Até acrescento que conseguiram colocar pelo menos uma pergunta de ciências no baralho (já não me recordo qual, mas dei por ela) e de forma que a resposta fosse objectiva, sem azo para os cientistas complicarem. É certo que não houve as letras de música para completar, normalmente “da lavra” do Tirapicos que não pode estar presente, e que geralmente fazem as delícias de muitos dos espectadores presentes. Mas tematicamente estava tudo lá. Não houve surpresas nenhumas, nesse sentido.

Na minha opinião, a jornada só falhou na construção e polimento da forma. A diferença fundamental foi que não houve, dentro dos tais sub-temas/assuntos, um critério para avaliar o grau de dificuldade de cada um deles, de modo a uniformizar as perguntas. Mas mesmo que a intenção fosse separar graus de dificuldade dentro de cada sub-tema, não se teve o cuidado de dividir as dificuldades para cada mesa. Daí alguns protestos terem mais fundamento nesta jornada que outras, dado que a percepção global dos espectadores foi justamente essa.

A jornada Ursoniana é provavelmente a jornada mais importante de qualquer campeonato. Primeiro porque é fora de qualquer cânone convencional e consensual que um quiz “deve ter” em termos de conteúdo. Depois porque, quando eles estrutruram-na bem, ainda que de forma “retro”, todas as equipas partem em pé de igualdade, sem outras armas que não aquelas em que se ouve “não me perguntem como sei esta”.
No entanto, a falta de tempo desestruturou o elemento “fora” tão comum aos Ursinhos, passando a ser um quiz normal de quem não teve tempo de o organizar como deve ser, e como eles gostam de o fazer. E foi esta a nossa percepção. E teria sido muito chato para quem jogava, caso não fosse o melhor “apresentador” da Ajuda ter-nos abrilhantado com a melhor performance a que se assistiu (já lá vamos). Mas a sensação foi a de que houve um pequeno dejá vu de quizes de outros tempos: cheios de boa vontade e alguma diversidade, mas que actualmente perdem para os actuais modelos de planeamento de conteúdo e forma.




No fundo, os Ursinhos têm uma fórmula única de elaborar e apresentar a jornada como mais nenhuma equipa o faz. Mesmo que desta vez não tenha corrido bem; eu friso, mais uma vez, que é mesmo única. E esclareço menos subtilmente: não é para haver emolumento. Só tem graça porque são eles e ponto final.




Sun Tzu Desporto




Quanto à apresentação e condução só me ocorre uma palavra: Brilhante!
Acho que é quase impossível dizer mais. Em termos de condução esteve à altura de qualquer tipo de polémica que tenha surgido, e que graças à sua forma de estar em “palco” rapidamente foi sanada (fora as que se sanaram por elas próprias), mas foi o tipo de humor, resposta pronta, piadas, subtilezas de “letra”, até provocações próprias de um humorista; enfim, um one-man show de um senhor cheio de “Prestige”. Foi admirável! Mesmo com o intervalo do 2º nível, que ficou a cargo do Miguel, bastante mais verde a resolver alguns problemas, salientando que fê-lo sem interferência da mesa (até nisso, foram impecáveis), a noite acabou por ser singular e inebriante no que ao jogo diz respeito.
É óbvio que os Ursinhos sabem muito bem que um quiz menos conseguido não se mascara com a melhor apresentação. Isto é, ao contrário de senhores e senhoras de falso “prestige” com que eles tão bem brincaram na primeira ronda de perguntas, os Ursinhos são mesmo de puro Prestige. E nós temos essa consideração de perdoar as menos-valias desta jornada, porque eles já nos deram provas do que são francamente capazes.
Apesar de muitos de nós não utilizarmos o mesmo desportivismo com outras organizações, sendo por vezes demasiado “Sun Tzu” para elas; o que é certo é que, de alguma forma ficamos rendidos ao incrível charme e humor dos Ursinhos quando organizam. Mesmo os mais empedernidos.




Cinema de Fora




A parte escrita não foi má, convém dizer. De um modo geral, eles são dos mais “fora” que existe, na elaboração da escrita. Desta vez, o elemento “fora” foi o facto de ter sido parca e talvez pouco imaginativa. A cotação reflectiu-se numa média de 4/5 pontos sensivelmente. À frente partiam os N.n.a.p.e.d. destacados, mas no fundo estavam os Duracell, aparentemente com o destino selado na cascata que se seguiria. Mas foi só aparência para eles, pois fariam uma recuperação brilhante para chegar ao 2º nível.

Quando o 1º nível terminou, sob os habituais protestos da colocação da mesa, talvez porventura mais legítimos desta vez, haviam de cair por terra os Folie à Cinq, Outsiders, Unidade 101, Universos e Frigoríficos e ainda os Lais da Carangueja e os Feios, Porcos e Maus, todos eles a ficar a ver o filme… de fora.








“Coltura”

7 perguntas apenas a dar a volta à sala no segundo nível. 29 foram directas, praticamente metade. Houve a sensação de perguntas que foram deslocadas para um nível acima, mais do que seria normal. Os Ursinhos sempre tiveram esse pormenor menos bom nas suas organizações. Na deste ano, a percepção da sala foi que eles exageraram. Sobretudo porque foi neste nível que apareceram mais vezes as datas impossíveis que contrabalançaram as ditas “fáceis”. É uma percepção que eu pessoalmente não consigo substanciar, apenas tendo a ideia que foi mesmo mais que o normal. Mas adiante. De fora da final, havia de ficar equipas como os BMV c/ Laranja, os Frikadaellos e os já citados Duracell. Uma palavra para os Golfinhos, Fav. & Co. que deram a sensação de repetir a final de há dois meses, mas perderam para o desempate para os Ex-Cavaleiros. Para estas quatro equipas, a “coltura não chigou” para a final.



Notariado e Emolumentos

É curioso como o Jorge ia comentando as perguntas do Pimenta, com muita graça. Sobretudo porque a percepção (sempre ela) de que eram impossíveis, foram largamente contrariadas com o número de pontos mais alto que o normal nesta jornada. Senão vejamos: Quantas jornadas houveram em que o terceiro nível teve 27 respostas dadas em 36 possíveis, num terceiro nível??!!
Cheira-me que nenhuma. Mas a percepção foi que elas quase todas eram efectivamente de terceiro nível. Será que os Ursinhos, ou neste caso o Pimenta, encontrou a fórmula ideal para manter o interesse da cascata até ao fim? Só o futuro o dirá…

Os Ex-Cavaleiros respiram saúde. Após um fraco começo de campeonato, estão mais perto do que podem vir a render e posicionam-se naturalmente para poder acabar dentro da “zona europeia”, mesmo com a agravante de serem os próximos a organizar.

Os Espertalhos do Carinho são claramente os perdedores desta jornada. Acabou por não lhes correr bem, apesar do início prometedor, e por isso acabam a ver os Mamedes mais longe deles, ao mesmo tempo que os rivais se aproximaram bastante. Mas a toalha ainda não está no chão.

Dos N.n.a.p.e.d. já se falou. Uma belíssima surpresa que o Santola e companhia recebeu esta jornada. Sobretudo porque a jogar com eles, estava um grandessíssimo “Kromo” muito motivado na sua estreia. Será que após dois anos de interregno, veremos esta equipa de regresso às organizações para o ano? Não devo desejar-lhes nem mais nem menos que aos outros. Mas está perfeitamente ao alcance deles esse desejo de voltar a organizar.

3º podium para os Zbroing 747!, este arrancado a ferros com muito mérito depois de uma segunda parte chocha. Palavras para quê? Pese embora o mau começo de campeonato, são os campeões em título e demonstraram-no claramente nesta jornada. Ainda há esperança…

Já a Ordem do Fónix precisava mais de um deslize dos Mamedes, para acalentar esperanças na reconquista. A meio do 3º nível chegaram à liderança. Mas a ponta final dos Mamedes foi fatal para eles. De qualquer forma, o ano passado já lá vai. Estes são os grandes Fónix que sempre nos habituaram.

Quanto aos Mamedes… já escolhem outros restaurantes, muito pela calada, não vá haver alguma intoxicação alimentar…

Para finalizar, duas frases que se retêm desta jornada: “O gajo de Alfama com diplomacia de croquete” e “Assim fenece esta farsa”!

Uma última nota: Para os ausentes ou mais distraídos, os títulos de cada segmento são os títulos das rondas temáticas do 1º nível. Tinham que ser recordados para a posteridade!

Boas férias e em Setembro há mais!

segunda-feira, 18 de julho de 2011

CLASSIFICAÇÃO DE JULHO

Mamedes estabelecem recorde de 6 vitórias num único campeonato.
Zbroing 747! superam o recorde de pontos no 3º nível que agora se fixa em 13.
N.n.a.p.e.d. regressa às finais e eleva para 15 as equipas finalistas deste ano.

No campeonato, Mamedes começam a ver o título muito perto.
4 equipas lutam pelo 2º e 3º lugar (sem excluir o 1º lugar).
Mais abaixo, a luta do 10º e 11º lugar ficou mais aberta depois desta jornada.

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Antevisão da jornada Ursoniana

I CAN "BEAR" THIS ONE



Depois de percorrer meio mundo (cheguei a ir ao Pólo Norte, que nem estava desagradável nesta época do ano), encontrei finalmente os Ursinhos nas florestas da fronteira dos Estados Unidos e Canadá. Lá estavam nas copas das árvores, onde sabem que está o melhor mel, e prometeram responder a algumas perguntas desde que lhes dessem o subsídio de férias por inteiro, caso contrário não faziam o quiz.


Aos gritos lá para cima, fui disparando algumas coisas tais como:


ENTE (Entrevistador nabo tremendo de excitação) - Depois do grande sucesso da cascata do ano passado, que podemos esperar este ano? Números de strip-tease? Espanholadas com muito salero e "pimenta"? Ou o próprio Carlos Manuel a apresentar?"


URSO (Um rugido surdo e ominoso) - O Carlos Manuel infelizmente ficou retido na Margem Sul, com uma unha encravada, por isso ainda não é desta que o apanhamos. Também evitamos o strip-tease, para não afugentar toda a gente. Mas garantimos um mínimo de disparate, para não defraudar expectativas.


Quanto a temas: Sun Tzu, sempre, como é devido a qualquer mestre, mas também Von Clausevitz, monografias do concelho de Vinhais, Hidrografia da bacia do Távora, pensamento político de José Castelo Branco, influência da obra de Roberto Leal no jazz experimentalista do século XXI, entre outros. Por isso, toca a estudar!


ENTE - "-Têm andado um pouco desaparecidos, que se tem passado? A Ajuda coincide com as noites de fado do Pedro Moutinho em Cascais? Ou sessões do planetário para ver as Ursas Maiores e menores?"


URSO - A diáspora dos Ursinhos não tem ajudado: a emigração para o Luxemburgo, Porto, Braga, etc. impede que o grupo esteja sempre (ou alguma vez) junto, como se comprovará mais uma vez. Mas torçemos para que na rentrée as coisas mudem.


ENTE - O ano passado perderam o podium na última pergunta de 2010? Este ano vingam-se do Truffaut e vão trepar pela árvore acima? Ou a colmeia vai ficar mais abaixo?"


URSO - Eu não queria recordar desfechos traumáticos, mas já que é preciso falar nisso…a ávore parece muito inclinada, mas a atracção do mel é irresistível. Mas isso também vai depender de futuras reuniões dos Ursinhos.


ENTE - "Há alguma questão que queiram que seja colocada pelo entrevistador por ele ser tão nabo a fazer perguntas?"


URSO - Em princípio não… bem, estão aqui a fazer-me sinais que não tenciono reproduzir. Vá lá, não houve a eterna pergunta de “como surgiu o grupo”, “como é que conheceram o quiz”, etc, sempre se evitam repetições. Enfim, fiquemos por aqui.



E recolheram-se mais acima nas copas. Bem abri as goelas para uma última questão, mas fugi a sete pés depois de um cortiço me cair em cima da cabeça. Enfim, asas do ofício...

domingo, 19 de junho de 2011

CRÓNICA DE JUNHO

PERTO DA PERFEIÇÃO



A antiga equipa dos Defenestrados foi uma equipa da cascata entre 2008 e 2010. Eram essencialmente jovens entre os 20 e 25 anos. As suas participações somaram um total de vinte e cinco, e em termos de registo contaram apenas com uma final e um 2º nível. Há pouco tempo cruzei-me com alguns deles. Fiz "publicidade" de outros quizes cascata onde eles poderiam participar. Resposta simples, sem malícia e até surpreendente: "Ah! Mas nós gostávamos muito da variedade das organizações da Ajuda. Isso é que dava colorido. E a adrenalina era muito forte." Levei uma bofetada, do alto da minha condescendência parva, mesmo que de boa intenção. Mas levei-a sem ressentimento nenhum.


Também há pouco tempo, ouvi uma frase que fixei, vinda de uma pessoa da nossa cascata: "A Ajuda é a mãe de todas as cascatas!"

Mas porquê esta introdução? Talvez porque serve para explicar que, independentemente das velhas discussões do que é um bom e um mau quiz, nunca chegaremos a um consenso sobre os ingredientes que deve ter. E ainda bem!

Note-se que falo para já do conteúdo da cascata. São 11 jornadas feitas por 11 equipas diferentes em todos os aspectos. Têm gostos particulares, e portanto é assumido pelas equipas que jogam, que vamos ter uma dose um pouco mais generosa de determinados temas. Desde que não seja excessivo, e obviamente preparado com antecedência, estamos numa situação em que isso é legítimo para qualquer equipa que organiza. Os jogadores têm que se adaptar a essa situação, preparando argumentos que abranja vária áreas, de modo a poder estar à altura das exigências de cada quiz. É como num jogo de ténis. Há adversários mais difíceis para uns e mais fáceis para outros.


Mas quanto à forma do quiz, as coisas passam-se de modo diferente. Como cozinhar as perguntas, de modo a que elas se tornem interessantes, pedagógicas e competitivas? É aqui que acaba os gostos pessoais e começa o entretenimento. Não existe um modelo. Mas existe uma base: O quiz é para os jogadores "jogarem". Como tal, em primeiro lugar as perguntas tem que ser bem distribuídas em termos de dificuldade e tema para cada mesa. É verdade que há coisas impossíveis de controlar e ninguém atinge a perfeição. Mas desde que uma equipa se debruce mais tempo que o normal sobre esta situação e que haja bom senso e flexibilidade para detectar isto, tudo correrá bastante melhor.


Em segundo lugar, a gestão da dificuldade. Há equipas que tentam nivelar de uma forma igual cada nível. Outras que preferem assumir que haverá graus diferentes, dentro de cada nível. E porquê? Porque ao nivelar tudo por igual, vai sempre haver perguntas que os organizadores não contam que seja tão difícil ou tão fácil. E a probabilidade do número destas perguntas acontecer é muito maior do que devia neste formato. O que faz com que as favas, quando calham a alguém, não permitam recuperação possível.

Já o outro modelo, não é perfeito na situação de recuperação de uma directa horrível que foi falhada. Mas as hipóteses para que isso aconteça, aumentam bastante.

Como somos todos diferentes, também existe um modelo preferido entre os 3 ou 4 que nos apresentam durante um ano: Ecléticas, ou eruditas, ou mais actuais, etc.

Há duas equipas que estão nos extremos no que ao conteúdo dizem respeito, mas que são para mim as mais eficazes em termos de forma: os Ursinhos Bobó e os Espertalhos do Carinho.


A primeira equipa porque consegue nivelar todas as equipas de modo a que o jogo se torne uma roleta, sobretudo no 1º nível. Para mim, isto pode ser bastante interessante, na medida em que torna a jornada mais imprevisível onde o desafio é... sobreviver até chegar ao 2º nível, altura em que eles já fazem a distinção mais apertada. Mas até lá, pode criar interesse muito maior no campeonato. É óbvio que o conteúdo deles tem estado à altura, dentro das brincadeiras que eles fazem. As perguntas não têm sido de escola primária, convém frisar isso.

Já os Espertalhos, têm uma filosofia diferente. Põem-nos frente a uma montanha e dizem-nos para trepá-la até ao topo. Mas dão-nos uma bicicleta, uma mochila com mantimentos e água.

E estas duas equipas quando organizam, transformam um quiz num espectáculo!

Falando um pouco mais agora do quiz dos Espertalhos. Foi excelente no conteúdo e na forma. Temas muito variados, com uma dose um pouco mais generosa nas artes em geral, mas sem muitas especificidades que fizesse com que só especialistas da área soubessem. E porquê? Muitas das perguntas cruzavam temas ou possíveis informações de outras áreas. Ou seja, no sentido em que não sabendo, pode-se chegar lá por outras vias. A informação utilizada para justificar cada pergunta posta para nós, torna-se mais acessível (na sua grande maioria) que o normal. Dois pequenos exemplos:
"Sabendo que na tabela periódica, o urânio tem o número 92 e o plutónio tem o número 94, que elemento químico tem o número 93?" Resposta: Neptúnio.

"Quem é a única figura histórica a ter feito parte do Partido Nazi a ter sido sepultada num cemitério em Jerusalém?" Resposta: Oskar Schindler.

Este tipo de cruzamento de informação é talvez só comparável (na minha memória) ao quiz dos Zbroing em 2009.

A escrita acabou por ser a menos conseguida (dentro do bem conseguido), talvez porque é mais difícil diluir as especificidades em apenas 10 grupos. Nenhum deles foi de borla e registou-se logo cinco vítimas que não encontraram mais o rumo, na densidade erudita e rica deste quiz. O primeiro nível também teve graus de dificuldade variada. Só 7 equipas tiveram 4 ou mais directas, provando estar à altura das dificuldades que foram surgindo na montanha. Aos outros, a "condição física" foi determinante para trepar mais alto na etapa de montanha. O 2º nível teve 54 perguntas em 60 a serem respondidas (com 24 directas). E no 3º nível, praticamente metade foi respondida.

É um quiz de conteúdo específico, de formato erudito, mas sem o terrível ónus do "ou és da área, ou não sabes". Resumindo: Perto da perfeição.
.
.
.





E agora a etapa

Esta jornada teve uma baixa e "meia". Os N.n.a.p.e.d. deram a sua falta anual, como geralmente tem sucedido em anos anteriores, e a meia baixa foi os Ursinhos Bobó, que uma situação imprevista de última hora, fez com que um Ursinho estivesse sozinho, (mais tarde na companhia de um convidado) mas fosse incentivado pelas restantes equipas, arrancando aplausos por cada pergunta respondida. E foram 6 no total, nada fáceis! No entanto, o destino ficou selado, acompanhando as outras quatro, no fosso que a escrita fez entre as 10 primeiras e as restantes. Golfinhos, Fav. & Co. não deram continuidade à final do mês passado. Universos & Frigoríficos também ainda não se adaptaram ao ambiente da Ajuda e a Unidade 101 está numa série perigosa de maus resultados. Mas a maior surpresa veio dos Outsiders, que à sexta jornada caem pela primeira vez num 1º nível, quando nada o faria prever. E que trambolhão! Desejo as melhoras para todas estas equipas nas próximas jornadas.


Já para o 2º nível, 9 equipas lideradas pelos Mamedes estavam separadas por 6 pontos, cabendo aos Folie à Cinq a dose de leão de recuperar 5 pontos a quem na altura seguia no 6º lugar. Subiriam apenas uma posição por troca com os Duracell, que seria a única equipa a não ter o gosto de uma directa. No entanto, esta equipa que ainda espera por se estrear numa final, tem apesar de tudo um registo de níveis 2 superior aos níveis 1. Falta só matar o borrego...


Os Frikadaellos acabam com uma mini-série de maus resultados mas não foi suficiente para a final. Já os Feios, Porcos e Maus, não chegam à final, traídos que foram pelo 1º nível. Mas mesmo assim, 7 finais nas últimas 12 jornadas em que participaram, faz com que este ano eles estejam uma equipa muito mais consistente que em outros anos. E lutam pela melhor classificação de sempre, porque não entre os 6 primeiros.


Para o 3º nível, os Mamedes mantinham a liderança, após voltar a vencer o 2º nível, desta vez na companhia dos BMV c/ Laranja. E três pontos separavam os 4 primeiros.


Mais para baixo, os Lais da Carangueja são mesmo a equipa sensação deste ano. Já vão na quarta final este ano, tantas quantas as que já tinham obtido no total. Mantêm-se entre os 6 primeiros do campeonato e já fizeram mais pontos nestas 6 jornadas do que em qualquer outro campeonato anterior. Nesta, acabaram por descer uma posição na final.


E trocaram com os Ex-Cavaleiros. Que também são um candidato a acabar entre os 6 primeiros. Surpresa, só mesmo o início do campeonato. Ainda à procura de melhor afinação, reatam o rumo das finais e aos poucos sobem na classificação geral.


Os 4 primeiros foram enormes nesta jornada. Debateram-se pela vitória até ao fim.


Os primeiros a quebrar foram os BMV c/ Laranja. Fizeram uma bela jornada, ganhando inclusive duas etapas (a escrita e o 2º nível), mas este 4º lugar, foi daqueles que sabe a pouco, pelo que fizeram.


A Ordem do Fónix trepou até ao 3º lugar, subindo sempre um degrau em cada nível (excepto na escrita pois foi o 2º). Agarram o 4º da geral, e mantém-se dentro das perspectivas de acabar no podium final. Para trás, já está o ano passado.


Os Zbroing 747!, campeões em título ainda passavam para a frente no início da última cascata. Acabaram no entanto em 2º lugar, a melhor classificação deste ano, mas com fortes indicações de que o melhor está a chegar. Já só estão a 7 pontos do segundo da geral.


Os Fernandos Mamedes fazem história e alcançam a 5ª vitória nas suas 5 últimas participações, com folga em Maio. Alcançaram-na muito à custa das directas: 14 em 18. Nos dois primeiros níveis, só falharam mesmo uma directa. Lançam-se para a conquista do campeonato muito contentes, mas só o tempo o dirá se estão também demasiado eufóricos. De qualquer forma, também... perto da perfeição.


E a geral após a etapa

E agora, o campeonato? Há mais 5 jornadas e ainda está tudo em jogo. Parece muito difícil recuperar o atraso para os Mamedes, mas só os Espertalhos e os Zbroing (sem esquecer os Lais) ainda têm 60 pontos à sua disposição, com vantagem para os primeiros. Os outros até ao 9º ainda organizam. Veremos como correrá o resto, sabendo que foi na segunda metade dos dois últimos campeonatos que as surpresas de recuperação aconteceram. Os Espertalhos recuperaram 40 pontos em 2009, embora terminassem em 2º. Os Zbroing começaram mais cedo, mas chegaram a estar a 16 de diferença para o primeiro, antes de acabarem com 14 de avanço para o segundo. Na próxima etapa, quem "oferece a casa" são... os Ursinhos!...


P.S.: Desculpem o atraso. Foi mesmo as fotos e a edição que me atrasou.

sábado, 18 de junho de 2011

CLASSIFICAÇÃO DE JUNHO




4ª jornada dos Espertalhos.


Como mera curiosidade estatística, fica-se a saber que as 3 últimas jornadas dos Espertalhos, os lugares do podium foram sempre ocupados pelos mesmos, com vitória para cada um. Só os Mamedes repetem em relação à primeira jornada espertalha, mas aí o podium ficou completo com duas equipas que já se dissolveram: Ambite e Cavaleiros. Os restantes finalistas têm variado bastante.

terça-feira, 14 de junho de 2011

Uma jornada Espertalha – O prelúdio

Serve o presente para inaugurar a semana no que às festividades Espertalhas diz respeito, já que o prato principal é apenas servido na sexta. Sem grande demora, porque o tempo lá fora é convidativo e não há pachorra para palestras.

Assim sendo, fica um pequeno “inside trading” sobre a equipa e um conjunto de factos inúteis. Para amanhã fica a entrevista e para o dia do quiz, uma pequena pista.

Wiki-Espertalhopédia

- O nome da equipa não tem grande ciência. É um trocadilho miserável.

- Há, entre Espertalhos, um ex-atleta da Academia Recreativa da Ajuda e outro que “teoricamente” faz parte da direcção.

- A Linha de Sintra está bem representada, através de um contingente do K100.

- Temos gente que lida com patentes mas não é militar e gente a quem lhes pagam para ler e depois escrever sobre o que leram para serem lidos por gente que gosta do que os outros escrevem. Temos gente que é paga para ter ideias com fins materiais, gente que ganha a vida no sobe-e-desce e gente que lhe dá na programação, mas não lida com computadores. Há inclusive gente rotinada em dar dinheiro, mas que está longe da filantropia.

No entanto, nada desta diversidade contribui para um quiz melhor.

- Há um tipo na equipa a quem chamam Roberto apesar de não ser esse o seu nome.

- A equipa costuma fazer um jantar pré-cascata todas as jornadas, dependendo o restaurante do resultado do mês anterior. Dada a ausência de vitórias, estamos prestes a reunir no McDonalds do Restelo.

- A palavra mais gritada no intervalo das respostas, durante um quiz de cascata é “Escreve”. Isso tem a ver com alguma ânsia de secretismo e com o tom de voz desagradável de um ou outro membro da equipa.



- Curiosamente, as iniciais do primeiro nome de cada um dos membros da equipa são JCRLRSF. O que torna este facto ainda mais curioso é que ainda ninguém percebeu o que isso quer dizer.

- Foi utilizado um ficheiro Excel para elaborar o quiz. Esse ficheiro tinha um separador por cada nível e uma coluna para insultos às perguntas colocadas por outros membros da equipa. Preencheram-se mais rapidamente os insultos que os níveis.

- O quiz pode ter um ou outro apontamento pseudo pós-moderno que, para bem das almas presentes, não envolve canto. Já a dança, depende da evolução da lesão no tornozelo do Rogério.

- Existe a opção on-demand para mais informação sobre a equipa já que, por apenas 1,77€, podem receber informação sobre os Espertalhos no vosso telemóvel até ao fim deste mês. Depois o serviço vai de férias.

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Crónica da Jornada de Maio





O mês de Maio marcou um novo ciclo de no campeonato, com os Mamedes a inaugurarem um período de jogos organizados por algumas das equipas ditas mais “experientes”. Depois do muito que já se falou sobre organizações, virtudes/defeitos e perseguições, as expectativas eram elevadas e não apenas por isso. O início de época fulgurante dos Mamedes e as mais valias trazidas pelos seus reforços antecipavam uma noite criativa e, porque não, divertida, dentro do rigor organizacional a que nos habituaram noutras épocas.

Mas, numa jornada em que só os Ursinho não marcaram presença, vamos lá passar a pente fino o serão na Academia.



Parte Escrita – Quiz meets Broadway meets LSD




Enquanto aquecimento que é suposto ser, a parte escrita parece-me ser a ideal para pôr em prática algumas brincadeiras e experiências, sem que se descure totalmente o jogo. Nesse sentido, a animação gerada pelos Mamedes, com bigodes dançantes, projecções teatrais transcendentes e muitos talentos escondidos foi uma entrada servida de forma original. A parte em papel também não complicou em demasia, tirando porventura os países que, pela forma como estava representados tinham alguma dificuldade acrescida.

Zbroing e BMV saíam na frente, com Espertalhos logo no encalço e apenas quatro equipas não chegavam aos cinco pontos, o que espelha algum equilíbrio inicial.


Nível 1 – Som, som, experiência, som, som, cascata





Os Mamedes avançaram com a definição de sub-níveis dentro do nível 1 e, não duvidando do seu esforço em tornar o jogo o mais equilibrado que possível, no meu entender a sub-nivelação demasiado assumida, pode complicar mais do que simplificar, como é pretendido, nem que seja na cabeça das equipas. No entanto, o nível foi jogável, apesar da oscilação aqui e ali da dificuldade, mesmo que prevista, não torna as coisas tão fluídas.

Do ponto de vista temático, pareceu-me haver uma distribuição ponderada, onde não faltaram ciências de forma equilibrada. A cascata cantada, sem menosprezo pelas criatividade/qualidades vocais do Miguel, talvez não tenha sido uma aposta ganha. Com muitas equipas em jogo a coisa arrasta-se, é difícil manter o ritmo e os temas ficam diluídos em algo que não favorece a dinâmica do jogo. Do ponto de vista criativo é interessante, do prático o disco já não é bem o mesmo.

Em termos de condução do jogo, levantou-se o granel ocasional, com resolução rápida, ainda que nem sempre do agrado das claques, especialmente as que desembarcaram em vôos das linhas aéreas turcas, prevalecendo o critério do organizador. Segundo as minhas contas, 46 directas foram acertadas (perto 50%), com três perguntas a darem a volta à sala. É o chamado nível um puxado mas, ainda assim, claramente jogável como já referi.

No entanto, este nível faz sempre vítimas e os NNAPED e os Frikadellos rapidamente se viram fora da jogada, assim como os Universus e Ex- Cavaleiros, cabendo a fava à Unidade 101 que, no tira-teimas com os Lais, acabaram por ficar à porta do nível 2. Na frente mantinham-se Zbroing, agora seguidos por Feios, Porcos e Maus e Fónix, com um pelotão engalfinhado logo no seu encalce.


Nível dois - Para bailar e também para quizzar, isto é uma bomba*




Chegados ao segundo nível, não se pode dizer que os ânimos tivessem esmorecido, já que a máquina mamedina tem rotina suficiente para ir fazendo as coisas progredirem. Apenas aqui e se notavam alguns aspectos que, apesar de planeados como já referi, causavam algum contraste entre criatividade e resultado prático.

Começando pela “bomba”, tenho alguma dificuldade em vê-la enquadrada num nível 2. Tendo 10 equipas em jogo, obriga a um número de hipóteses de dificuldade média/alta que tornam as questões num emaranhado de tiros ao boneco, para não serem evidentes. No formato em que jogamos, combinando morosidade/viabilidade talvez só no nível 3 se aceitasse uma dificuldade acrescida face a um número mais reduzido de respostas mas, ainda assim tenho algumas dúvidas.

Os temas continuaram a variados, embora as trocas na condução de jogo, se bem que sempre segura, me deram a impressão de gerar algumas flutuações no critério do organizador. O equilíbrio entre as pontuações das equipas mostrava que a emoção ainda fazia parte da equação. Nove perguntas a dar a volta à sala mostram que a dificuldade não disparou à bruta mas, o facto de apenas 25% (15 em 60) das directas terem sido respondidas revelam que a fasquia se elevou.

Com cinco directas acumuladas, ao passo que quatro equipas nem uma tiveram para amostra, os Espertalhos saltaram para a liderança, logo seguidos por uns BMV c/ Laranja que fizeram das cascatas (7) a sua vitamina. Os Zbroing caíam para terceiro, com a companhia dos surpreendentes Golfinhos, que carimbavam o passaporte para a primeira final da época.

Fora da contenda ficaram rapidamente Lais e Duracell, tendo os Folie e os Outsiders (curiosamente com 0 directas e 6 cascatas somadas), lutado até à última por um lugar na final, coisa que não lhes foi possível alcançar.


Nível 3 – O velho drama do photo finish




Entrados no último nível, a luta pela vitória parecia estar a cargo de uma dupla, com todos os outros lugares mais em aberto. Restava saber se iria ser um nível 2+ ou um 3 plus e, com vinte perguntas a dar a volta à sala (em 36 possíveis), rapidamente se viu que cada pontinho valia ouro. Com todas as suas perguntas incluídas nesse lote, os Golfinhos viram assim o seu destino traçado, o que não invalida a boa performance da noite. Feios, Porcos e Maus e Fónix, foram ombro a ombro até ao fim e a recuperação dos primeiros valeu-lhes o quarto lugar no desempate. Controlando as distâncias, os Zbroing calmamente asseguraram o terceiro lugar, trazendo mais alguma consistência a um início de época algo tremido por parte dos campeões.

Na frente, Espertalhos e BMV c/ Laranja, trocavam ponto por ponto e, cascata após cascata, o despique mantinha-se. Valeu uma cascata a mais a estes últimos para, no desempate, assegurarem uma vitória suada mas bem jogada e um segundo amargo de boca para os também segundos na classificação geral.

Apesar de certos aspectos não terem funcionado como porventura foram planeados, especialmente nos números mais arriscados, o jogo dos Mamedes proporcionou, no seu geral, uma noite agradável. Foi o seu melhor jogo? Talvez não, mas isso não tem nada a ver com o empenho e a dedicação em tentar que tudo corra pelo melhor. E, no que toca à parafernália tecnológica / apresentação, esta foi do melhor que já temos visto.

Acrescento ainda que é fácil perceber quando um jogo é planeado e distribuído, como foi o caso dos Mamedes, mesmo que não sejamos adeptos do estilo/nivel + puxado ou + fácil do mesmo. Se a isso juntarmos uma boa condução, isso ajuda a superar alguma insatisfação em certos pontos e faz uma clara diferença face a outras organizações que já tive oportunidade de comentar. E isto não tem nada que ver com ser mais tolerante com A ou menos condescendente com B.

* Uma nota do nível 2, que não tem directamente que ver com os Mamedes, mas mais com a dinâmica do Chicken Eye. Visto que qualquer equipa pode pedi-lo, há um aspecto que me faz confusão, dado que se verificou durante o jogo. Uma equipa respondeu correctamente (FPM), mas a organização não considerou e a pergunta deu a volta também porque outras equipas, vendo a resposta correcta invalidada chutaram outra coisa qualquer. Uma dessas equipas (Lais) pede o Chicken e verifica-se que havia erro na pergunta. É certo que foram os FPM que acertaram, mas é outra equipa que protesta, não ganhando nada com isso. A meu ver, no limite, deveria ser mais um ponto para ambos ou uma nova pergunta, pois os directamente envolvidos apenas tiveram uma acção passiva e saem beneficiados com isso, isto para além da rectificação óbvia do erro.

domingo, 22 de maio de 2011

CLASSIFICAÇÃO DE MAIO


2ª vitória dos BMV c/ Laranja e 6º pódium nos últimos onze jogos. Parabéns!!

Espertalhos mantêm viva a chama do título, partindo para a organização em Junho um pouco mais aliviados.

Com Golfinhos, Fav. & Co. passam a ser 14 as equipas a chegar à final. Será bonito (e possível) se todas chegarem este ano, pelo menos a uma.

Mamedes, Espertalhos, Ordem do Fónix e... Outsiders mantêm-se como as únicas equipas a passarem sempre o nível 1.

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Linha da Meta - Entrevista com os Mamedes em dia de organização

Foi difícil, mas lá conseguimos chegar à fala com os Mamedes, mesmo antes do início da jornada. O curador do Chicken Eye, que preferiu manter o anonimato desde que o tratássemos por Jorge, deu-nos alguns insights sobre o que podemos esperar hoje à noite e também sobre a visão dos Mamedes sobre este campeonato.
Como de costume, entre entrevistador, entrevistado e conteúdos, pouco ou nada se aproveita.


Entrevistador Tributado (ET) - Antes de mais, obrigado pela disponibilidade para uma tarefa de grande exigência mental. Serão apenas umas quantas perguntas, mas o seu grau de imbecilidade pode afectar os menos preparados.

Curador Chicken Eye Anónimo Chamado Jorge (CCEACJ) - Ora essa, os restantes Mamedes delegaram em mim esta responsabilidade, por estarem ocupados, aborrecidos ou a tocarem-se. Quanto à presumível imbecilidade, é chutada para canto por anos de vida académica rodeado de super-nerdalhões do Técnico.




(ET) -
Depois de 2 épocas de "folga", os Mamedes reforçaram-se a rigor para este campeonato. Alguém comprou carro com uma nova matrícula milagrosa ou com a crise, os trocos extra da vitória vieram impedir algumas refeições a pão, chicken e água?

(CCEACJ) -
Os nossos contactos na DGV revelaram que todas as combinações interessantes (FM - 20-11 , 69 - XX - 69, etc.) estão tomadas por carros de baixa cilindrada, sem ar condicionado e que gastam pouco: estamos mais a apontar para um autocarro de longo curso com varões de striptease e bolas de espelhos, mas alimentado a energia nuclear, tipo DeLorean do Regresso ao Futuro.

Em dia de prova os Mamedes não se alimentam de sólidos, para garantir que a hidratação na Academia penetra mais profundamente a chicha de cada um (e uma). As avultadas quantias têm sido encaminhadas directamente para obras sociais e caritativas reconhecidas, que normalmente terminam em "Bank" e são sediadas em paraísos fiscais sem pobres a sujar as ruas.

Ainda assim, e pensando na realidade difícil do país, o Paulo vai fazer um reforço de capital da Centralcer, o Alex vai entrar num time sharing do Mosteiro dos Jerónimos e eu vou implementar um programa de incentivos financeiros a mulheres carenciadas em troca de sexo anal. A Sofia não leva nada, para ser uma mulher carenciada.

Vamos também rebocar a Casa da Música para Lisboa para o Miguel e o antigo Cinema Império ao Pascoalinho, em reconhecimento dos serviços que garbosamente prestam.


(ET) -
Quatro jornadas, quatro vitórias. São vocês que estão muito bem, são os outros que estão muito mal ou há algum ingrediente secreto nos vossos jantares antes da cascata?

(CCEACJ) -
Como dizia o outro, Deus está morto, Marx também, e nós não nos sentimos lá muito bem. Mas parece que os outros estão ainda pior. Quanto aos jantares, o segredo está em existirem: nos anos transactos, metade da equipa não comia porque já eram dez e meia e ainda se estavam a coçar as partes baixas. Mas o Pascoalinho e o Miguel têm melhores hábitos e incentivam os nossos pequenos estágios na churrasqueira da Ajuda.




(ET) -
Em relação ao nível do campeonato, como têm visto a coisa em termos de organizações, granel e aspectos de moda e alta costura?

(CCEACJ) -
As equipas estão aparentemente mais calmas, e as organizações mais focadas em fazer um quiz simples e bom, em vez de complexo e mau. O granel diminuiu para um décimo, acho — visto que eu fazia os restantes nove décimos e agora me sinto constrangido pelo meu dever aviário.


Parte 2 - Da organização de hoje


(ET) -
Tendo vocês algumas bases científicas, vão compensar a falta de ciências noutros jogos desta época ou é tipo salada russa? Devemos preparar-nos para alguns temas impróprios para cardíacos?

(CCEACJ) -
Como de costume, temos seis temas e siga para bingo: a ciência terá a dose certa. Tudo muito bem distribuidinho, esperemos, para que as queixas reflictam apenas as falhas de cada equipa em certos temas, não um azar no lugar em que se sentaram.


(ET) -
O que é que o jogo dos Mamedes vai ter que os outros não tiveram até agora. Ou o que é que poderia ter, mas ainda estão em testes para ver se é legal?

(CCEACJ) -
Sexo anal. É por isso que o Paulo não vai à Academia. Quanto aos Mamedes presentes, iremos tentar fazer um quiz moderno e arejado, mas sem abusar. Excepto em alguns momentos em que faremos o contrário.




(ET) -
A jornada passada vimos uma Academia em estilo herdade "Peso Pesado". O vosso jogo também se vai adaptar a este novo ambiente?

(CCEACJ) -
Sim, e eu estou especialmente animado: as temperaturas médias acima dos dez graus deixam as minhas glândulas aos saltos (as que suam e as outras), e assim terei a desculpa perfeita. Como critério de desempate, teremos flexões com os polegares, Strong Man a puxar o João Silva agarrado a grades de whiskey e corrida de bicicletas fixas.


(ET) -
Jorge, enquanto leal tratador do chicken eye, como é que vais encarar os chicken eyes pedidos no vosso jogo. Vais mandar abaixo a net para evitar confusão, vais protestar contigo mesmo ou vai haver um tratador suplente?


(CCEACJ) -
Vamos discutir a coisa antes das cascatas começarem, para evitar quaisquer atritos. Infelizmente, nenhuma dos meus Chicken Eyes foi aceite durante a elaboração do quiz, por isso já não tenho moral para discutir o quer que seja. Excepto com o Vitoriano. E com o Tali. E com o Girão. E com o Tali.